Eu

O vento estala seu invisível chicote no dorso das ruas que exprimem dor e lançam poeira como horrendos arrepios
Foi numa destas encruzilhadas rodopiantes que perdi meu rumo primário e tomei um caminho transverso
Que me trouxe até aqui
 
Ontem topei no meio da ventania meu fantasma que enveredou pela estrada original
Ele já não era eu
Alguns amigos que nunca mais encontrei lhe faziam companhia
Bebiam juntos
 
Hoje tenho saudades
De quem não fui

Nenhum comentário: