Planetário

Pela fresta que se abre
No telhado
Enxergo um claro céu
Ele ainda está lá
Ele sempre esteve
Ele é
Além de nossa atmosfera
Das nuvens cinzas ou claras
Da nevoa e do vento transparente
O espaço infinito
E sua mecânica
Seus corpos girantes
Cadentes
O silêncio e a presença do nada
A supremacia da ausência
Onde um dia me unirei
Para lá das minúsculas regiões terrestres
Além do território dos sonhos
Pela falha no telhado
Olhando para cima
Eu vi

Nenhum comentário: